Advogados questionam projeto que altera Lei da Recuperação Judicial

Advogados questionam projeto que altera Lei da Recuperação Judicial

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de lei 6.229/2005, com uma série de mudanças na Lei de Falências (Lei 11.101/2005), por conta da calamidade pública da epidemia de coronavírus. As maiores inovações são: as possibilidades de financiamento na fase de recuperação judicial, ampliação do parcelamento das dívidas tributárias federais e apresentação do plano de recuperação pelos credores. Segundo especialistas no assunto, o projeto aprovado pela Câmara tem uma série de pontos questionáveis. Agora, o Senado vai analisar o texto.

Para Domingos Fernando Refinetti, sócio da área de Recuperação Judicial do WZ Advogados, o projeto traz alterações profundas no atual regime de recuperação judicial.

Em análise preliminar, alguns pontos chamaram a atenção do advogado: o exercício da atividade rural passou a ser contemplado; a incidência do imposto sobre a renda e a contribuição social sobre o lucro líquido incidentes sobre o ganho de capital resultante da alienação de bens ou de direitos pela pessoa jurídica em recuperação judicial; a possibilidade de apresentação de plano de recuperação judicial pelos credores; a ampliação da natureza das obrigações que estarão livres de sucessão em caso de alienação de bens na recuperação judicial; a ordem de preferência de pagamento dos credores em caso de falência; a declaração da extinção das obrigações do falido (fresh start); a recuperação extrajudicial; as conciliações e mediações antecedentes ou incidentais aos processos de recuperação judicial; o financiamento do devedor e do grupo devedor durante a recuperação judicial (DIP loans); a insolvência transnacional; e o pagamento dos débitos para com a Fazenda Nacional pelo empresário ou sociedade empresária em recuperação judicial.

“São, todos tópicos relevantes e sobre os quais vale a pena que os operadores do direito se debrucem com atenção e afinco, com o intuito de levar ao Congresso Nacional contribuições que permitam aprimorar esse importante marco regulatório das atividades empresariais no Brasil”, afirma.

A advogada Simone Zaize de Oliveira, sócia da Keppler Advogados Associados, considera que o projeto pouco contribui para a recuperação das empresas. Segundo ela, a proposta “despreza os esforços de construção jurisprudencial dos últimos anos, cria problemas que não existiam, como na sistemática de alienação de unidade produtiva isolada, torna mais dificultosa a obtenção de novos recursos financeiros, impedindo a alienação de bens que não compõem o ativo circulante, dota o Fisco de um protagonismo desenfreado e não cuida de problemas antigos”.

Ela cita o exemplo do privilégio de que goza o crédito bancário e a falta de estímulo ao fomento de empresas em dificuldade, tornando inócuo, mais burocrático e pouco efetivo o sistema de proteção à empresa em dificuldade, mesmo que ela seja viável, contribuindo para a destruição do emprego e renda. Ela diz esperar que o projeto não prospere.

Atividade rural

O advogado Eduardo Diamantino, sócio do Diamantino Advogados, ressalta proposta “incluiu finalmente a possibilidade expressa do produtor rural requerer a sua recuperação judicial”.

De acordo com o projeto,  o produtor, para obter o benefício, deve comprovar que exerce atividade por no mínimo dois anos, por meio da apresentação da Escrituração Contábil Fiscal (ECF) — se pessoa jurídica —, pela apresentação de Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR), ou documento similar. Ainda, dispõe sobre a possibilidade de o produtor rural optar pelo plano de recuperação especial similar ao destinado aos microempresários individuais, mas desde que o saldo devedor não ultrapasse o valor de R$ 4,8 milhões.

Para o advogado, contudo, nem tudo são flores. Isso porque, conforme explica, o mesmo projeto visa à alteração da Lei 8.929/94 quanto à não sujeição da Cédula de Produto Rural (CPR-Física) aos efeitos da recuperação judicial. “Na emissão da CPR-Física, o agricultor recebe dinheiro do investidor e garante pagar de volta com parte da safra. A medida pode fazer sentido para o agente financiador, mas pode gerar desconforto ao produtor, pois como cumprirá a obrigação em caso da perda de safra?”, indaga.

“A proposta até tenta trazer algum alento porque discorre que, em caso de força maior, é possível obter a  suspensão da obrigação, porém determina que caberá ao Ministério da Agricultura definir o que será hipótese de caso fortuito e de força maior. Isto é, a norma, tal como está, acaba gerando insegurança jurídica, porque, por mero ato administrativo (portaria), poderão ser alterados os critérios legais, o que não faz muito sentido, ainda mais quando esse órgão está sujeito a pressões políticas.  Melhor seria se a lei trouxesse rol com critérios objetivos e razoáveis, ainda que caráter exemplificativo”, explica.

Há ainda outros problemas. “O projeto discorre ainda que o crédito rural (Lei 4.829/65)  também não se sujeitará aos efeitos da medida. Esse fato torna a recuperação do pequeno produtor inviável, já que boa parcela dos recursos obtidos vem dessa forma de financiamento. Esperamos que no Senado tais questões sejam revistas porque, nos moldes atuais, a lei será para poucos”, conclui.

Revista Consultor Jurídico, 30 de agosto de 2020, 13h42

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo