Análise dos Projetos de Lei existentes sobre a Tributação da Distribuição dos Lucros e Dividendos

Análise dos Projetos de Lei existentes sobre a Tributação da Distribuição dos Lucros e Dividendos

Com a vigência da Lei nº 9.249/95, mais precisamente seu artigo 10º, ficou estabelecido que “os lucros ou dividendos calculados com base nos resultados apurados a partir do mês de janeiro de 1996, pagos ou creditados pelas pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, presumido ou arbitrado, não ficarão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte, nem integrarão a base de cálculo do imposto de renda do beneficiário, pessoa física ou jurídica, domiciliado no País ou no exterior”. Ou seja, desde o ano de 1996, os lucros de dividendos que são calculados após o pagamento das obrigações e impostos, não estão sujeitos a nenhum tipo de imposto, seja o destinatário do lucro/dividendo pessoa física ou jurídica.

Um exemplo para ilustrar a situação brasileira atual. Três sócios, denominados João, José e Maria, integram a empresa Alfa. Sobre a firma, recaem 34% de tributos a serem cobrados sobre o lucro auferido, enquanto os sócios João, José e Maria apenas declaram, mas não precisam pagar pelo percentual recebido. O mesmo exemplo é utilizado se o quadro societário fosse integrado por João, Maria e pela empresa Beta, ou seja, a tributação de lucros e dividendos não recai sobre esta, pois a Beta está na posição de sócio.

Desde a época das eleições para a Presidência, em 2018, um assunto que teve bastante relevância entre os candidatos foi a revogação do referido artigo 10 para que a distribuição de lucros e dividendos a pessoas jurídicas voltasse a ser tributada. De lá para cá, o assunto ganhou mais espaço por meio da retomada da discussão de projetos de lei apresentados pelos deputados Vicente Cândido (PL 6.049/2013) e Luis Miranda (3.129/2019) e pelos senadores Eduardo Braga (1.952/2019), Otto Alencar (2.015/2019) e Flávio Arns (3.061/2019).

Com a desconsideração do artigo 10 da Lei n. 9249/95, tanto a empresa quanto seus sócios ficam obrigados a recolher o imposto de renda sobre os lucros e dividendos auferidos pela empresa. Em outros termos,  os sócios João, José e Maria terão não apenas que declarar o tributo, mas pagá-lo. A partir deste ponto surge uma discussão quanto a ocorrência da bitributação — afinal, segundo estudiosos, há uma cobrança sobre o mesmo fato gerador que incide primeiro sobre a empresa, atingindo, posteriormente, os sócios.

Vale ser mencionado que todas as propostas apresentadas estão em fase inicial de tramitação no Congresso, passando por um longo período de estudos e discussões até que de fato sejam aprovadas. Por outro lado, tem-se a urgência de arrecadação pelo governo. Por isso, apesar de ainda serem rasas, vale destacar o projeto de lei do senador Eduardo Braga, que tem como objetivo central reduzir a alíquota do IRPJ para 12,5% e 7,5% do adicional. O projeto também institui a cobrança do IR sobre distribuição de lucros e dividendos com alíquota de 15% e revoga tanto a isenção do mercado financeiro e de capitais quanto a dedução do IRPJ pelos valores pagos aos sócios a título de remuneração do capital próprio.

Não é nenhuma novidade o objetivo do Brasil em se tornar um país membro da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Como a grande maioria dos países-membros adotam a tributação de seus lucros e dividendos por meio do do IRPJ, o Brasil tende a este posicionamento.

Um ótimo exemplo de países que já vivenciaram os dois cenários são os Estados Unidos e o Canadá, em que atualmente incide tributação sobre lucros e dividendos através do IRPJ. Mas nem sempre foi assim. Em meados da década de 80, os dois países decidiram pela isenção do tributo em comento e o efeito foi o reverso do esperado, o que fez a posição ser revista e demonstra a existência de prós e contras em qualquer cenário..

De um lado, tem-se o grupo a favor da mudança da legislação, que vê como positiva a tributação sobre lucros e dividendos alegando diminuir a carga tributária do País. Os adeptos desta tese argumentam que, quando havia esta cobrança, a carga tributária sobre as empresas era de 20%, enquanto hoje é de 34% — a mais alta do mundo, de acordo com dados da OCDE. Outro argumento é o de que a retomada da cobrança inibiria a pejotização, que é a contratação de uma pessoa física registrada como empresa.

Por outro lado, existe um forte grupo contrário a essa “mini reforma tributária”, alegando não acreditar na diminuição da carga tributária. É o mesmo time que esposa a tese da existência de bitributação.

Contudo, antes de criticar, seja de uma forma positiva ou negativa, é importante analisar qual o ponto central e entender que o cenário econômico do País não é o mesmo de quando a legislação foi alterada — afora o fato de que, ao longo de 2020, a Reforma Tributária se tornou uma pauta muito importante.

De fato, a (re)introdução deste tributo aumentaria a arrecadação do País, desde que sua implementação seja bem estudada para que a carga tributária não aumente e o Brasil continue sendo visto como um atrativo para os investidores. Com ou sem reintrodução, é preciso que qualquer decisão não seja isolada, mas acompanhada de uma ampla reforma no sistema tributário.

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo