Critérios para taxação desafiam implantação do Imposto Seletivo, apontam advogados

Critérios para taxação desafiam implantação do Imposto Seletivo, apontam advogados

O dr. Gustavo Vaz Faviero colaborou com a reportagem da ConJur sobre a implementação do Imposto Seletivo, aprovada na Reforma Tributária. Confira:

Gustavo Vaz Faviero, coordenador da área tributária do Diamantino Advogados Associados, acrescenta que a instituição desse imposto contraria as premissas da própria reforma tributária. “Considerando as premissas e fundamentos apresentados para justificação da reforma tributária, a instituição deste tributo vai em sentido contrário, tendo em vista os problemas de transparência e de cumulatividade de crédito e a indefinição e grau de incerteza sobre quais produtos devem ser tributados”, reforça.

Tal situação se mostra inerente à sua formatação, pois trata-se de um tributo que busca uma espécie de justiça tributária (por meio de seu caráter extrafiscal), ao invés da simplicidade e racionalidade tributária apresentada como elemento central da Reforma. A grande questão que o Imposto Seletivo deixa em aberto é como fazer a adequada tributação dos bens e serviços que seriam (ou não) prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente”, afirma o especialista.

Leia mais:

Critérios para taxação desafiam implantação do Imposto Seletivo, apontam advogados (conjur.com.br)

 

Outras Notícias

Dívidas das 10 maiores recuperações judiciais do agro somam R$ 5 bilhões
Investimentos no exterior – novidades na declaração de imposto de renda de pessoa física – 2024
Poder de gestão não implica responsabilidade tributária, diz Carf
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo