Os próximos capítulos da cobrança do Funrural

Os próximos capítulos da cobrança do Funrural

Por Gustavo Vaz Favieiro e Beatriz Palhas Naranjo

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai julgar, no dia 5 de maio de 2022, inconstitucionalidade do Funrural devido pelas agroindústrias no RE n° 611.601, Tema n° 281.

A citada contribuição foi instituída pelo artigo 1º, da Lei nº 10.256/2001, que introduziu o artigo 22-A na Lei nº 8.212/1991. Por meio desta alteração, as agropecuárias e agroindústrias estão obrigadas a recolher a cota patronal sobre o seu faturamento e não sobre a folha de salários.

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai julgar, no dia 5 de maio de 2022, inconstitucionalidade do Funrural devido pelas agroindústrias no RE n° 611.601, Tema n° 281.

A citada contribuição foi instituída pelo artigo 1º, da Lei nº 10.256/2001, que introduziu o artigo 22-A na Lei nº 8.212/1991. Por meio desta alteração, as agropecuárias e agroindústrias estão obrigadas a recolher a cota patronal sobre o seu faturamento e não sobre a folha de salários.

Na época, tal modificação foi uma inovação, pois, como regra geral, as pessoas jurídicas estão obrigadas a arcar com três conjuntos de contribuições: (i) a cota patronal sobre a folha de salários; (ii) PIS e COFINS; e (iii) CSLL.

Assim, surgiu a discussão da inconstitucionalidade da cobrança, baseada em três argumentos: a) A Lei nº 10.256/2001 instituiu nova fonte de custeio para a seguridade social em Lei Complementar; b) Impossibilidade do Funrural incidir sobre a mesma base econômica das contribuições do PIS/COFINS; e c) Ofensa ao princípio da isonomia, pois tributa-se de forma mais onerosa as empresas agroindustriais em relação às demais.

A inconstitucionalidade do Funrural é um tema que já foi discutido em diversos casos pelo STF. Primeiro, no caso do Frigorifico Mata Boi (RE 363.852), a Corte reconheceu a inconstitucionalidade do artigo 25 da Lei 8.212/91 que previa o pagamento dessa contribuição sobre a receita do produtor rural pessoa física.

Posteriormente, no julgamento do RE 718.874 (Tema 669), foi reconhecida a constitucionalidade da cobrança para o empregador rural pessoa física à luz da EC nº 20/1998 e da Lei nº 10.256/2001.

Depois, no RE 700.922 (Tema nº 651), foi iniciado o julgamento da (in)constitucionalidade do Funrural empregador rural pessoa jurídica. Após os votos pela inconstitucionalidade, dos ministros Marco Aurélio e Edson Fachin e pela constitucionalidade do ministro Alexandre de Moraes, a sessão foi suspensa por pedido de vista.

Neste cenário, surge a questão: os argumentos que levaram ao reconhecimento da constitucionalidade do Funrural aos produtores rurais pessoas físicas podem ser aplicados para as agroindústrias?

Pensamos que não. Ao analisar a tributação do Funrural para as pessoas físicas, os pontos principais da discussão eram relacionados (i) à previsão expressa da Constituição em torno da incidência tributária sobre o resultado da produção para a atividade rural; (ii) à possibilidade da aplicação deste método de tributação ao produtor/empregador rural.

Neste contexto, entendeu o STF que, após a EC nº 20/98, tornou-se constitucional a cobrança desta contribuição. Ocorre que para as pessoas jurídicas, desde a redação inicial da Constituição Federal, previu-se que os empregadores pessoas jurídicas sofreriam três bases de incidências para as contribuições: (i) folha de salários; (ii) faturamento/receita bruta; (iii) lucro.

Assim, eventual alteração da EC nº 20/98 seria irrelevante para as agroindústrias, pois para elas há um bis in idem do Funrural com o PIS/COFINS.

Ainda, há violação ao princípio da isonomia, uma vez que não há qualquer critério para alterar a sua forma de contribuição com base na sua atividade (folha X receita).

Diante dos problemas apresentados, a expectativa é a de que a Suprema Corte reconheça a inconstitucionalidade dessa cobrança e leve em consideração que as agroindústrias ficaram sujeitas a uma carga tributária maior tão somente por conta da atividade que exercem.

Gustavo Vaz Favieiro é advogado na Diamantino Advogados Associados, e Beatriz Palhas Naranjo, estagiária do Diamantino Advogados Associados

 

Os próximos capítulos da cobrança do Funrural (agrolink.com.br)

Outras Notícias

Empresas têm até 30 de maio para se cadastrarem no Domicílio Judicial Eletrônico
Reoneração da folha: desventuras em série
Reforma tributária sinaliza alento ao setor da construção civil
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo