Lei municipal não pode proibir uso de agrotóxicos

Lei municipal não pode proibir uso de agrotóxicos

Recentemente, o município de Mariporã (SP) editou a Lei nº 3.926, de 28 de julho de 2020, que o definia como zona livre de agrotóxicos e proibia o armazenamento de quaisquer agrotóxicos, sob qualquer tipo de mecanismo ou técnico de aplicação.

Diante desse fato, o prefeito de Mariporã aforou a ação visando reconhecer a inconstitucionalidade da lei municipal. A alegação foi de que competiria exclusivamente à União legislar sobre a matéria de direito agrário.

O argumento de inconstitucionalidade foi acolhido. Porém, para o Tribunal de São Paulo a questão envolvia primariamente o direito à saúde e ao meio ambiente, o que autorizaria o município a legislar de forma complementar.

Assim, inconstitucionalidade foi declarada sob o argumento de que só caberia ao município restringir e não proibir o uso e guarda de agrotóxicos vez que já que a Lei Federal nº 7.802/89 autorizaria o uso.

Sob esse viés argumentativo utilizado na ADIN, porém, o munícipio e Estado não teriam nenhuma legitimidade para dispor sobre qualquer limite ao uso de agrotóxicos.

Por isso, a questão está longe de ser pacificada e ainda será objeto de conflitos no Judiciário. Ainda não é bem definida a questão da exclusividade da competência legislativa, em especial, quando o fator for proibição de uso de agrotóxicos.

Porém, tudo leva a crer que o entendimento do Tribunal de Justiça de São Paulo deve prevalecer. Cada vez mais, as questões ambientais têm ficado prementes. Logo, ante o potencial lesivo dos agrotóxicos, decerto prevalecerá o entendimento de que a matéria deverá ser analisada sob viés do direito ambiental em detrimento ao direito agrário.

Outras Notícias

Empresas têm até 30 de maio para se cadastrarem no Domicílio Judicial Eletrônico
Reoneração da folha: desventuras em série
Reforma tributária sinaliza alento ao setor da construção civil
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo