Ocorrência do fato gerador do IRRF

Ocorrência do fato gerador do IRRF

Não é de hoje que contribuintes, qualificados na legislação tributária, como responsáveis pela retenção do Imposto de Renda na Fonte (IRRF) em operações realizadas com o exterior, são alvos de fiscalizações no que tange ao aspecto temporal da ocorrência do fato gerador.

A ocorrência do fato gerador do IRRF é disposta de forma ampla no ordenamento tributário, assim entendido como valores pagos, remetidos, creditados, empregados ou entregues ao benefício do recurso, o que ocorrer primeiro.

Nesse sentido, tanto a Receita Federal do Brasil (RFB) quanto o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) se manifestaram pela ocorrência do fato gerador do IRRF quando do mero reconhecimento contábil, isto é dizer, o provisionamento do contas a pagar da companhia já ensejaria o recolhimento do IRRF.

Muito embora a própria RFB, em Solução de Consulta COSIT n° 153/2017, já tenha se manifestado em sentido contrário a este entendimento, administrativamente os contribuintes não logravam êxito em autuações sobre este tema.

Com efeito, ao julgar o REsp. 1.864.227, a Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu, por unanimidade, que o mero registro contábil da dívida no contas a pagar da companhia não enseja o fato gerador do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF).

Isso pois, o entendimento manifestado no julgado do referido recurso encontra-se consubstanciado na análise de dois elementos balizares quais sejam a disponibilidade econômica e/ou jurídica.

Em síntese, conceituamos disponibilidade econômica como o pagamento efetivo (dinheiro) e, disponibilidade jurídica como o vencimento da dívida, melhor dizendo, momento em que a operação torna-se exigível (cobrável pelo beneficiário do rendimento).

Referido posicionamento do STJ traz esperança aos contribuintes pois, imaginemos operações de prestação de serviços incorridas entre partes relacionadas que haja a incidência do IRRF.

Normalmente, as companhias estabelecem prazos longínquos para o respectivo pagamento e, muitos nem estipulam o vencimento da dívida, assim, não precisariam despender o imposto no reconhecimento contábil da dívida.

Evandro Augusto Bottaro, advogado da área tributária no Diamantino Advogados Associados.

 

Outras Notícias

Regulação do mercado de carbono pode fomentar novos negócios no agro
Receita Federal prorroga o prazo da declaração do imposto de renda
Prazo para entrega da Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior – DCBE 2022 encerra em 05.04.2022
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo