O que muda para o empregador com a Revogação da MP nº 905/2019

O que muda para o empregador com a Revogação da MP nº 905/2019

O presidente Jair Bolsonaro em edição extra do Diário Oficial da União revogou na segunda-feira (20/04) a Medida Provisória nº 905/2019, que instituiu o programa Verde e Amarelo, um incentivo à contratação formal de jovens que ainda não possuíam carteira assinada, além de outras providências.

A medida previa também a isenção de parcelas incidentes na folha de pagamento destes trabalhadores (admitidos na modalidade verde e amarelo); como por exemplo a contribuição previdenciária, salário educação e contribuições sociais do Sistema S (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Senai; Serviço Social do Comércio – Sesc; Serviço Social da Indústria – Sesi; e Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio – Senac).

A MP com validade até 20/04/2020 havia sido aprovada para conversão em lei com alterações pela Câmara dos Deputados, faltando ainda a aprovação pelo Senado Federal. Com a revogação, o Presidente da República prometeu a edição de novo texto tratando da mesma matéria, o que é discutível.

Como consequência imediata da revogação tem-se a perda de sua validade jurídica. Entretanto, as situações jurídicas já consolidadas e decorrentes de atos praticados durante a vigência da MP nº 905/2019 deverão ser conservadas.

A título de exemplo, os contratos celebrados na modalidade verde e amarelo à época, continuam válidos, sendo proibidas tão somente novas contratações.

Ademais, as legislações anteriormente alteradas ou revogadas voltam a ter validade.

Veja algumas das principais mudanças:

  • Reestabelecimento do “caput” do art. 224 da CLT – A MP nº 905/2019 havia excluído a proibição de trabalho aos sábados para empregados de bancos, casas bancárias e Caixa Econômica Federal. Com o restabelecimento da norma a jornada diária de trabalho destes empregados será de 6 (seis) horas contínuas nos dias úteis, com exceção dos sábados, que de novo foi considerado dia útil não trabalhado. Também não é mais possível celebrar acordos individuais com previsão de trabalho superior a seis horas diárias e 30 semanais;
  • Reestabelecimento do § 5º do art. 457 da CLT – a medida provisória preceituava que o fornecimento de alimentação (cesta básica, refeições) não possuía natureza salarial, não incidindo sobre a folha de salário e não integrando a base de cálculo do imposto sobre a renda da pessoa física. Com a revogação, aplicável o § 2º do art. 457 da CLT, de modo que a alimentação será considerada verba de natureza salarial quando fornecida em dinheiro.
  • Reestabelecimento do “caput” do art. 458 da CLT – A alimentação fornecida habitualmente pelo empregador volta a ser considerada como parte do salário do empregado. A única maneira de alteração será através de acordo coletivo com cláusula expressa;
  • Reestabelecimento da alínea “d” do inciso IV do art. 21 da Lei nº 8.213/1991 – O acidente sofrido pelo empregado no trajeto para o trabalho (ida e volta), por qualquer meio de locomoção, volta a ser equiparado ao acidente do trabalho. Consequentemente retorna o direito à estabilidade (garantia de 12 meses – artigo 118 da Lei nº 8.213/1991);
  • Reestabelecimentos dos art. 626; art. 627; art. 627-A; “caput” e §§ 1º ao 3º do art. 628; art. 629; “caput” e §§ 3º, 4º e 8º do art. 630; “caput” do art. 631; “caput” do art. 632; e art. 634, todos da CLT. E revogação dos artigos: art. 627-B e parágrafo único do art. 632 da CLT – Diversas alterações referentes a fiscalização, autuação e imposição de multas administrativas pelos Auditores do Trabalho (os prazos para apresentação de defesa e recurso administrativos deixam de ser de 30 (trinta) dias, e voltam a ser de 10 (dez) dias; o prazo para recolher o valor da multa administrativa também volta a ser de 10 (dez) dias, alterados prazos e critérios para realização de dupla visita pelo Auditor de trabalho, além de outras providências).

A MP nº 905/2019 estava sendo considerada por muitos uma nova reforma trabalhista, tendo em vista os importantes temas abordados, bem como diante da criação de uma nova modalidade de contrato de trabalho, o verde e amarelo.

Espera-se a retomada da medida como forma de auxílio aos empregadores, já que diversos de seus dispositivos são benéficos às empresas por reduzirem a carga tributária sobre a folha de pagamento, reduzir a burocracia e incentivar novas contratações.

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo