O que os empregadores precisam saber sobre o Contrato Verde e Amarelo

O que os empregadores precisam saber sobre o Contrato Verde e Amarelo

Por Kátia Silva Alves

A Medida Provisória (MP) 905/2019 foi criada com o intuito de gerar novos postos de emprego, de modo que, para alcançar seu objetivo, houve redução de diversos encargos trabalhistas, em especial na nova modalidade de contratação denominada verde e amarelo, o que beneficiou os empregadores.

Esta nova modalidade de contratação visa a criação do primeiro emprego formal para jovens entre 18 a 29 anos. Poderão ser contratados nesta modalidade 20% do total de empregados da empresa – caso o estabelecimento possua até 10 colaboradores, a contratação será limitada a dois.

As contratações serão realizadas exclusivamente para novos postos de trabalho, de modo que o empregador não poderá demitir um colaborador contratado por prazo indeterminado para contratar outro na modalidade verde e amarela.

Dentre as vantagens do contrato verde e amarelo, há a possibilidade de empregador e funcionário pactuarem o pagamento antecipado do décimo terceiro salário proporcional, férias proporcionais e a indenização do FGTS (multa), que neste caso é de 20% e será devida independentemente do tipo de rescisão.

Nesta hipótese, os pagamentos deverão ser feitos de forma antecipada no final de todo mês ou período trabalhado (desde que inferior a um mês). Desta forma, evidentemente, ao final da contratação as empresas não serão oneradas com o pagamento das verbas rescisórias e demais recolhimentos.

No que se refere aos encargos trabalhistas, os contratos verde e amarelo serão isentos das seguintes parcelas incidentes na folha de pagamento: I) contribuição previdenciária prevista no inciso I do caput do art. 22 da Lei 8.212, de 24 de julho de 1991; II) salário-educação previsto no inciso I do caput do art. 3º do Decreto 87.043, de 22 de março de 1982; III) contribuição social destinada ao: a) Serviço Social da Indústria (Sesi), de que trata o art. 3º do Decreto-Lei 9.403, de 25 de junho de 1946; b) Serviço Social do Comércio (Sesc), de que trata o art. 3º do Decreto-Lei 9.853, de 13 de setembro de 1946; c) Serviço Social do Transporte (Sest), de que trata o art. 7º da Lei 8.706, de 14 de setembro de 1993; d) Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), de que trata o art. 4º do Decreto-Lei 4.048, de 22 de janeiro de 1942; e) Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), de que trata o art. 4º do Decreto-Lei 8.621, de 10 de janeiro de 1946; f) Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat), de que trata o art. 7º da Lei 8.706, de 1993; g) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), de que trata o § 3º do art. 8º da Lei 8.029, de 12 de abril de 1990; h) Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), de que trata o art. 1º do Decreto-Lei 1.146, de 31 de dezembro de 1970; i) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), de que trata o art. 3º da Lei 8.315, de 23 de dezembro de 1991; e j) Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), de que trata o art. 10 da Medida Provisória 2.168-40, de 24 de agosto de 2001.

Entretanto, a produção de efeitos da MP quanto à isenção dos encargos citados acima (artigo 9º) fica condicionada à manifestação do Ministro de Estado da Economia, que deverá atestar “a compatibilidade com as metas de resultados fiscais previstas no anexo próprio da Lei de Diretrizes Orçamentárias e o atendimento ao disposto na Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, e aos dispositivos da Lei de Diretrizes Orçamentárias relacionados com a matéria”.

Resumindo-se, os benefícios econômicos aos empregadores são as isenções na folha de pagamento das contribuições sociais do “Sistema S”, da contribuição previdenciária e do salário-educação.

Ainda sobre o FGTS, houve redução da alíquota mensal, sendo esta de 2% sobre o salário do trabalhador. Nos demais contratos, exceto de empregados domésticos, o recolhimento fundiário é de 8%.

Outra vantagem nesta modalidade de contratação (que é por prazo determinado, limitado a 24 meses) é a não aplicação de multa em caso de rescisão antecipada por parte do empregador, sendo que, para os demais contratos por prazo determinado, a multa é devida, nos termos do artigo 479 da CLT.

A contratação de colaboradores na modalidade verde e amarela é limitada ao período compreendido entre 1º/1/2020 a 31/12/2022, sendo, todavia, vedada quando o trabalhador for submetido a legislação especial.

Importante destacar que é imprescindível o cumprimento da MP no que se refere aos direitos previstos, sob pena de o contrato ser considerado por prazo indeterminado. Assim, com o intuito de alertar os empregadores, seguem as disposições legais sobre esta modalidade de contratação.

  • O limite salarial é de um salário e meio, considerando o mínimo nacional;
  • Quanto aos direitos previstos na Constituição Federal, não poderão ser restringidos, Todavia, os direitos previstos na CLT e Acordos e Convenções Coletivas somente recairão sobre esta modalidade de contratação quando não forem contrários ao estipulado na Medida Provisória 905/2019;
  • O contrato verde e amarelo terá duração máxima de 24 meses, podendo, durante este período, ser prorrogado por diversas vezes, desde que respeitado o prazo limite, sob pena de ser considerado como contrato por prazo indeterminado;
  • A contratação é válida para qualquer tipo de atividade (transitória ou permanente), inclusive para fins de substituição provisória de pessoal permanente;
  • A indenização do FGTS foi reduzida de quarenta para vinte por cento. Todavia, será devida independentemente da dispensa, ainda que por justa causa;
  • As horas extras somente serão prestadas quando previstas em Acordo Coletivo ou individual, limitada a duas horas diárias. É válida a instituição de Banco de Horas (acordo individual escrito) desde que a compensação ocorra no período máximo de seis meses; ou ainda possível a compensação sem banco de horas, com a condição de que as folgas ocorram no mesmo mês trabalhado (acordo tácito ou escrito).

Abaixo quadro comparativo entre o contrato verde e amarelo e os demais:

Destarte, a novidade normativa (contrato verde e amarelo) é positiva na medida em que facilita o pagamento das verbas trabalhistas, reduz valores devidos pelo empregador, bem como o pagamento de diversas contribuições incidentes na folha de pagamento, diminuindo, assim, o custo de um funcionário para o empregador.

Com efeito, são evidentes os benefícios à economia, uma vez que os encargos sociais incidentes na folha de pagamento sempre foram uma das principais barreiras para investimentos no País e geração de empregos.

Quanto aos trabalhadores, muito embora tenha ocorrido a redução de alguns direitos, como a indenização do FGTS, as medidas facilitam a contratação do primeiro emprego com carteira assinada e ainda limitam que os contratos sejam instituídos pelo período de dois anos (01/01/2020 a 31/12/2022), de modo que a medida se coaduna com a atual conjuntura econômica brasileira.

Por fim, não houve supressão de direitos previstos constitucionalmente.

Outras Notícias

Mais de 70 entidades se manifestam contra proposta da PEC 45
Os desdobramentos da decisão contra a cobrança do Funrural nas exportações indiretas
Decisão do STF anulará autuações fiscais aplicadas a produtores e cooperativas
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo