O Governo Federal regulamenta o procedimento de relicitação do PPI

O Governo Federal regulamenta o procedimento de relicitação do PPI

Em 06 de agosto passado, o Governo Federal outorgou, após dois anos de espera, o decreto regulamentador da Lei Federal n. 13.448/2017, lei que estabelece diretrizes gerais para a prorrogação antecipada e de relicitação dos contratos de parceria vinculados ao Programa de Parcerias de Investimento (PPI).

O Decreto 9.957/2019 regulamentou especificamente o procedimento da relicitação. Tal instituto jurídico foi criado pela Lei 13.448/2017 como alternativa para os projetos de parcerias assinados sob a conjuntura econômica pré-crise e que sofrerem forte impacto com o advento da recessão econômica, fato que ocasionou uma série de descumprimentos contratuais e desequilíbrios econômicos ao contrato.

Pela lei, o agente privado pode devolver amigavelmente a concessão para a Administração Pública Federal por meio de um procedimento que garantisse, basicamente, a continuidade da prestação do serviço até o novo concessionário assumir, a suspensão dos investimentos programados no contrato, a suspensão de eventuais procedimentos de caducidade do contrato e a indenização dos investimentos feitos e ainda não amortizados ou depreciados.

Entretanto, até o Decreto 9.957/2019, o Poder Executivo Federal não tinha ainda regulamentado esse procedimento à nível infralegal, sobretudo por causa da metodologia do cálculo das indenizações devidas ao agente privado pelos investimentos feitos, o que acabou por se tornar óbice aos interessados em utilizar o procedimento.

O Decreto nº 9.957/2019, resolve, ao menos parcialmente, a questão ao estabelecer normas referentes ao: a) requerimento de relicitação; b) procedimento de qualificação do empreendimento para relicitação; c) procedimento de relicitação do empreendimento qualificado; e d) indenizações.

O requerimento de relicitação deve ser encaminhado, por escrito, pelo contratado à agência reguladora setorial do objeto contratual contendo, basicamente: a) justificativas e elementos técnicos que demonstrem a necessidade e conveniência da relicitação; b) a renúncia ao prazo para a correção de falhas e transgressões e para o enquadramento previsto no artigo 38, parágrafo 3º da Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, caso seja posteriormente instaurado ou retomado o processo de caducidade; c) declaração da intenção de aderir à relicitação, a partir da celebração do termo aditivo; d) renúncia expressa quanto à participação do contratado e seus acionistas no certame de relicitação ou futuro contrato que contemple, integral ou parcialmente, o objeto a ser relicitado; e informações sobre o empreendimento (bens reversíveis, instrumentos de financiamento, entre outros); e f) informações sobre as condições para a manutenção e continuidade dos serviços durante o processo de relicitação e após a assinatura do termo aditivo.

O requerimento será analisado pela agência reguladora competente, que se manifestará sobre a sua viabilidade técnica e jurídica. Em seguida, o Ministério da Infraestrutura deverá proceder uma análise no que diz respeito à possibilidade da relicitação do contrato possuir compatibilidade com a política pública setorial e poderá qualificar o requerimento. Caso qualificado, ficarão sobrestados os processos de caducidade eventualmente em curso e se iniciará o procedimento para a relicitação do contrato.

Importante destacar que a Lei 13.448/2017 determina que o edital de relicitação e a minuta do futuro contrato deverão conter previsão de pagamento pelo futuro contratado das indenizações referentes a bens reversíveis não amortizados ou depreciados, eventualmente devidas pelo Poder Concedente ao contratado original. Tal dispositivo relacionado a indenização do contratado original sempre foi o ponto polêmico da lei, pois a metodologia de cálculo nunca foi unanimidade nas unidades técnicas da Administração Pública Federal.

O Decreto 9.957/2019 acaba por não resolver essa questão, delegando às agências reguladoras setoriais a definição da metodologia a ser utilizada nesses cálculos. De qualquer forma, serão descontados do valor da indenização devida ao contratado originário pelos bens reversíveis não amortizados ou depreciados: a) as multas e outras somas de natureza não tributária devidas pelos contratado originário ao Poder Concedente; b) as outorgas devidas até a extinção do contrato; e c) o valor excedente da receita tarifária auferida pelo contratado originário em razão da não contabilização do impacto econômico-financeiro no valor da tarifa decorrente da suspensão das obrigações de investimentos não essenciais no momento da celebração do termo aditivo.

A regulamentação desse ponto da Lei 13.448/2017, mesmo assim, é de grande valia, uma vez que deixa mais claro aos concessionários com concessões problemáticas o caminho a seguir caso optem pela devolução amigável da concessão. Ademais, ressalta-se que apesar de se aplicar apenas aos contratos da Administração Pública Federal, há uma tendência de incorporação desse instrumento em todos os entes subnacionais.

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo