Novo processo de demarcação de terras indígenas pode questionar a Funai

Novo processo de demarcação de terras indígenas pode questionar a Funai

O Ministério da Justiça fará a verificação das provas de ocupação e uso histórico da terra, dos estudos e documentos técnicos

 O Ministério da Justiça publicou no Diário Oficial (DOU) na quarta-feira (18/01) a portaria Nº 68, que altera o processo de demarcação de terras indígenas. A portaria é proveniente de um relatório circunstanciado produzido pela Fundação Nacional do Índio (Funai), que trata da identificação e delimitação da terra indígena, e tem como finalidade avaliar de forma criteriosa “o estudo de todo procedimento de demarcação, bem como a necessidade de se conciliar celeridade e segurança jurídica”.

Processo de demarcação

De acordo com a portaria, será formado um Grupo Técnico Especializado (GTE) formado por representantes da Funai, Consultoria Jurídica, da Secretaria Especial de Direitos Humanos e da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, possuindo como atribuições, dentre outras.

O Ministério da Justiça fará a avaliação dos processos de demarcação de terra indígena, através da verificação das provas de ocupação e uso histórico da terra, dos estudos e documentos técnicos, e do cumprimento da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal sobre o assunto, podendo ainda, recomendar a realização de diligências. Além da realização de audiências públicas serão admitidos “outros meios de participação das partes interessadas, diretamente ou por meio de organizações e associações legalmente reconhecidas”, conforme previsto no artigo 3.

Maior transparência

Segundo o assessor jurídico da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Gustavo Passarelli, a portaria é importante por fornecer critérios mais objetivos à atuação da Funai no procedimento administrativo, prestigiando princípios caros à administração pública, como a transparência, a publicidade e a eficiência, que terão como consequência, além de salvaguardar a segurança jurídica, conferir legitimidade às decisões de demarcação.

O Mato Grosso do Sul registra atualmente 123 propriedades rurais invadidas por índios. A publicação da portaria, para o presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito, demonstra concretamente a preocupação do Governo Federal na resolução da questão fundiária indígena. Esse importante avanço, conforme o presidente, privilegia a segurança jurídica, tão necessária a um Estado Democrático de Direito.

Medida vai evitar abusos na demarcação

De acordo com Eduardo Diamantino, especialista em Direito Agrário e sócio do Diamantino Advogados Associados, a portaria não questiona o direito dos índios. A medida apenas vai garantir que a decisão do Supremo Tribunal Federal seja cumprida. No caso de demarcação da Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, a corte proibiu a ampliação da reserva indígena, com decisão judicial que tem mais de 300 folhas e 20 recomendações.

Segundo Diamantino, o problema é que a decisão do STF não vem sendo cumprida pela Funai. Nem todas as terras consideradas pelo governo como áreas indígenas respeitam o artigo 231 da Constituição Federal, de terras tradicionalmente habitadas pelos índios. “Ocorreram abusos nos processos de demarcação e ampliação de terra indígena. A Funai precisa respeitar a jurisprudência do STF e rever todos os processos de demarcação, especialmente os que tratam de ‘ampliação’ de terra indígena”, diz Diamantino. “Não há ofensa alguma a direitos dos silvícolas, eles permanecem garantidos. Apenas se reconheceu os excessos existentes. A Funai poderá cuidar da população indígena e diminuir sua sanha demarcatória de terras.”

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo