Sustentação de decreto em xeque

Sustentação de decreto em xeque

A falta de transição alegada pelo governo de Angelo Perugini (PDT) para justificar o estado de calamidade pública financeira decretado em Hortolândia não sustenta o ato, na visão do advogado especialista em direito financeiro Eduardo Diamantino, ouvido pelo TODODIA. Para o cientista político Daniel Marinho, a decretação da emergência foi uma "resposta política" de Perugini à população.
No dia 13 de janeiro, o pedetista anunciou o decreto de calamidade financeira no município válido por 90 dias. A principal alegação da administração para a medida foi a reorganização do Orçamento e restabelecimento do equilíbrio financeiro diante de um rombo de "cerca de R$ 50 milhões".
No dia 9 deste mês, menos de 30 dias após o anúncio do decreto, o governo de Perugini divulgou que a dívida municipal estava, na verdade, estimada em R$ 21 milhões e que a gestão do ex-prefeito Antonio Meira (PT) havia deixado R$ 14 milhões em caixa de superavit.
Apesar disso, o secretário de Finanças, Pedro Reis Galindo, afirmou que o decreto de calamidade financeira se sustentava por não ter havido transição entre os governos. Mas o Executivo afirmou que será feita uma auditoria para apurar o valor correto da dívida e, dependendo do resultado, cancelará o decreto de calamidade.
Na visão de Diamantino, só a falta de transição não é suficiente para manter o decreto. "O que não sustenta o decreto é falta de informação alegada. Se não teve (transição), deveriam ter entrado com habeas data – ação judicial que assegura o livre acesso a informações de caráter público – contra o prefeito (Meira). Ele (Perugini) teve do dia 5 de outubro até o dia 4 de janeiro para fazer isso. O decreto é inválido porque falta de informação não gera emergência", avaliou o advogado especialista em direito financeiro.
Para o cientista político Daniel Marinho, o decreto de calamidade da prefeitura foi uma resposta política do pedetista. "Eu acho que ele usou de uma resposta política amparado legalmente para fazer isso. Se for ver, o que seria mais correto é fazer um levantamento de todas as contas (da prefeitura) e depois falar a real situação. Mas preferiu falar da calamidade e dar uma resposta, para depois fazer uma avaliação correta", afirmou Marinho.

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo