Governo transferiu ônus do setor elétrico para particulares

Governo transferiu ônus do setor elétrico para particulares

O setor elétrico brasileiro é campeão de ilegalidades de caráter econômico em tempos de crise no Brasil. No país, funciona mais ou menos assim: ante a eminente bancarrota do Estado, o governo promulga algumas normas de legalidade duvidosa e transfere o ônus do sistema para os consumidores. Ao final, vem a crise seguinte. Evidentemente, quem vai ao Judiciário tem seus direitos preservados, mas é sempre uma parcela pequena da população.

A lista de exemplos é farta, mas para ficar na memória podemos citar ao menos três: o empréstimo compulsório dos anos 70 que seria devolvido pela Eletrobrás e que até hoje tem processos na Justiça; o tarifaço de 1986, quando durante do congelamento de preços a energia subiu quase 20%, e o racionamento de 2002 que obrigou tanta gente a reduzir o consumo de energia em um delicado cenário econômico.

Agora, merece destaque a “lambança” promovida recentemente que alterou sobremaneira a conta de energia elétrica. A história é relativamente simples: em 2012, a presidente Dilma, ao se deparar com o mercado de energia aquecido e em alta, resolveu que iria baratear as tarifas de energia elétrica sem construir uma usina ou modernizar qualquer parte do sistema elétrico nacional. Não previu sequer a sua desoneração tributária. Sabemos que tal feito se assemelha a um milagre, mas por meio de inúmeras artimanhas que pretendiam revogar a lei da oferta e da procura teve início uma nova forma de desestruturação do sistema elétrico brasileiro. Assim, foi editada a MP 579/2012, convertida na Lei 12.783, que rompeu contratos em vigor e mudou as regras do jogo no sistema elétrico. Segundo o plano, a ideia era diminuir a conta em 20% por meio da redução de encargos e do aporte do governo para financiar determinadas políticas.

A esse mal estruturado plano soma-se a estiagem que assolou o Brasil nos últimos anos e obrigou o acionamento das termoelétricas sob pena de colapso. O resultado é que o plano naufragou e o aumento só não foi sentido no biênio 13/14 porque estava custeado com empréstimos feitos e camuflados no orçamento da União.

Acontece que, com a descoberta do déficit público, o governo resolveu “ transferir” a conta para o encargo denominado Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) e com isso obrigar os contribuintes a suportá-lo. Ou seja, a partir do ano passado, as despesas de capital e correntes que deveriam ser custeadas por recursos do orçamento anual estão sendo embutidas nas tarifas dos consumidores , que o recebem cobrado na conta, especificamente dentro da taxa de uso do sistema de transmissão e taxa de uso do sistema de distribuição, sejam eles cativos ou livres.

Para tanto, a CDE foi alterada por normas infralegais, dentre outras, simples resoluções da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), como por exemplo a Resolução Homologatória 1.857/2015. Nessa norma, vale destacar as seguintes e indevidas inclusões: 1) Os custos com a realização de obras no sistema de distribuição de energia em função das Olimpíadas; 2) Os custos relacionados a neutralização da exposição das distribuidoras decorrentes da alocação de cotas e não adesão à prorrogação de concessões de geração de energia elétrica; 3) Despesas não comprovadas, denominadas “restos a pagar”; e 4) Custo ao atendimento dos sistemas elétricos de Manaus, Macapá e reembolso do carvão mineral da UTE Presidente Médici. Transferiu-se o ônus para o particular.

Diante disso, chegou-se ao absurdo atual. Um erro de política tarifária elevou sobremaneira a conta de energia elétrica e o governo, embora obrigado a arcar com encargo, não o fez. Como dito, transferiu o ônus ao particular que teve um aumento em suas contas superior a 30%.

Atualmente, se tem notícia de duas antecipações de tutela deferidas para desobrigar os contribuintes ao pagamento da parte da Conta do Desenvolvimento Energético (CDE) que se entende ilegal. A situação se agravará porque a parte do CDE não paga por quem tiver liminar será rateada pelos consumidores que não entraram com a medida, ou seja, tende a subir mais ainda. Restará sempre as portas do Judiciário. No setor elétrico, a história vem se repetindo. Como diria Machado de Assis: " Ao cabo, só há verdades velhas caiadas de novo".

Eduardo Diamantino é advogado e sócio do escritório Diamantino Advogados Associados, e vice-presidente da Academia Brasileira de Direito Tributário

Revista Consultor Jurídico, 23 de março de 2016, 6h46

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo