Impressões iniciais da lei de repatriação de capitais

Impressões iniciais da lei de repatriação de capitais

Conforme esperado, foi publicado no dia 14 a lei que permitirá a repatriação de recursos, bens ou direitos de origem lícita, não declarados ou declarados incorretamente, remetidos, mantidos no exterior ou repatriados por residentes ou domiciliados no país.

O texto é basicamente o aprovado no Senado mantidos os já divulgados vetos. Dentre os que ficaram claro temos: i) a vedação a jóias, pedras preciosas, obras de arte, antiguidade, animais de estimação ou esportivo, material genético de reprodução animal; ii) parcelamento dos créditos tributários em relação a bens imóveis; iii) a retirada da destinação da multa a Estados e Municípios; iv) vetado também o prazo de regulamentação anteriormente previsto.

No rol das vedações ambíguas podemos colocar: i) a questão do trânsito em julgado. A lei não permite mas só houve o veto do inciso I parágrafo quinto do artigo 1º remanescendo o inciso II do parágrafo segundo do artigo 5º com redação semelhante; ii) a extensão da extinção da punibilidade, vetada no inciso I do parágrafo segundo do artigo 5º e mantida no parágrafo quinto do artigo 4º.

Permaneceram vários problemas de redação que deverão ser frutos de muita discussão.

Com relação ao titular temos a questão da lei se dirigir ao titular de direito ou de fato. Qual o conceito de “titular de fato”? A existência dele indica necessariamente em um titular de direito. Qual dos dois deverá fazer a declaração? Será optativo?

Ainda vale lembrar que a restrição contida no artigo 11 aos agentes políticos é mais obscura que a do conceito de PEP da Resolução nº 16 de 2007 do COAF.

Chama também atenção a hipótese de exclusão do programa de que trata o artigo 9º: falsidade documental ou informações inexatas na declaração. Mas fica a pergunta : quem declarará a ocorrência do fato ilícito?  Quais os requisitos legais para serem considerados verdadeiros ou falsos documentos estrangeiros? Assusta ainda a  ausência de previsão de contraditório prevista nesse artigo. Será seguro aderir ao programa dentro dessas ambiguidades?

A previsão de regulamentação é 16 de março, o que deslocará o prazo final para Outubro.

Até lá, teremos tempo para refletir sobre as questões decorrentes dessa norma. Estaríamos diante de uma delação não premiada?

 

Departamento Tributário.

Outras Notícias

MP do Contribuinte Legal pode ter consequências adversas a contribuintes
STJ decide pela devolução de parte dos valores pagos por produtores no Plano Collor
Abiec: Voto de Toffoli pode acabar com o Funrural para todos
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo