Alegria de credor de precatórios dura pouco

Alegria de credor de precatórios dura pouco

O pleno do Supremo Tribunal Federal concluiu, em março deste ano, a modulação dos efeitos da inconstitucionalidade do regime especial de precatórios, instituído pela Emenda Constitucional 62 de 2009. A análise foi feita no julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade nºs 4.357 e 4.425.

A modulação, de efeito vinculante, veio para solucionar  a situação criada pela declaração de inconstitucionalidade da Emenda Constitucional 62 de 2009, pois, sendo declarado inconstitucional a norma, voltou-se ao regime de pagamentos anterior determinado pela Constituição de 1988, não havendo dúvidas que os novos débitos dos entes públicos deveriam novamente se alinhar com tal regime. Porém, criaram-se inúmeras situaçõesenvolvendo os débitos anteriores. Afinal como deveriam ser pagos?

A resposta foi a modulação dos efeitos das ADIs, proposta pelo ministro Luiz Fux, em 2013. Após longo prazo recebendo estudos e ouvindo argumentos de ambos os lados (entes devedores e credores), ele tentou pacificar a questão propondo um meio termo para o pagamento dos débitos anteriores, abrandando os efeitos econômicos que sofreriam os entes públicos com uma ruptura abrupta do regime de pagamento da emenda 62 para o disposto na Constituição em seu texto original.

Desta forma, ficou determinado que os entes públicos teriam o prazo de 5 anos para liquidar todos os débitos nos termos do regime especial de pagamento de precatórios, instituído pela Emenda Constitucional 62/09, sendo fixado como marco inicial a data de conclusão do julgamento da questão de ordem (25 de março de 2015) e mantendo-se válidos os precatórios expedidos ou pagos até esta data.

Ficou ainda mantida a aplicação do índice oficial de remuneração básica da caderneta de poupança (TR), nos termos da EC 62/09, até a data da modulação (25 de março de 2015), data após a qual os créditos em precatórios deverão ser corrigidos pelo IPCA-E (Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial), com exceção aos precatórios tributários que deverão observar os mesmos critérios pelos quais a Fazenda Pública corrige seus créditos tributários.

Sanou-se ainda recente controvérsia que causou a paralisação dos pagamentos de precatórios federais, ficando mantidos os precatórios expedidos, no âmbito da administração pública federal, com base nos arts. 27 das Leis 12.919/13 e 13.080/15, que fixaram o IPCA-E como índice de correção monetária.

Quanto às formas alternativas de pagamento previstas no regime especial da Emenda 62 de 2009, se manterão válidas as compensações, os leilões e os pagamentos à vista por ordem crescente de crédito previstos na EC 62/09, desde que realizados até 25 de março de 2015, data a partir da qual não será mais admitida a quitação de precatórios por tais modalidades. Bem como ficou mantida a possibilidade de realização de acordos diretos, desde que observada a ordem de preferência dos credores e de acordo com lei própria do ente devedor, e respeitando o limite máximo de redução em 40% do valor do crédito atualizado.

Durante o período fixado, de 5 anos, a partir de 25 de março de 2015, ficam mantidas a vinculação de percentuais mínimos da receita corrente líquida ao pagamento dos precatórios, bem como as sanções para o caso de não liberação tempestiva dos recursos destinados ao pagamento de precatórios.

Determinou-se, por fim, à atribuição ao Conselho Nacional de Justiça para que monitore e supervisione o pagamento dos precatórios pelos entes públicos na forma da modulação, bem como regulamente o uso compulsório de 50% dos depósitos judiciais tributários no pagamento de precatórios.

Entretanto, “alegria de credor de ente público dura pouco”, e já tiveram início movimentações de prefeitos e governadores de todo o país no sentido da elaboração de um projeto de Emenda Constitucional com um novo “regime especial de pagamento”.

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo