Autorizada a compensação dos créditos de PIS/COFINS do leite com tributos federais, mas com redução do percentual de apropriação dos créditos

Autorizada a compensação dos créditos de PIS/COFINS do leite com tributos federais, mas com redução do percentual de apropriação dos créditos

A Medida Provisória nº 668/2015, criada pelo Executivo com a finalidade de neutralizar os efeitos da decisão proferida no REx/STF 559937 (relativa à questão da não incidência do PIS/COFINS-Importação sobre a própria base e sobre o ICMS), foi convertida na Lei nº 13.137/2015, publicada recentemente no Diário Oficial.

Porém, durante o trâmite da MP pelas Casas Legislativas, foram inseridas novas disposições relativas ao regime de creditamento presumido de PIS/COFINS sobre o leite in natura (por meio da modificação da Lei nº 10.925/2004), aplicável ao setor de laticínios.

A primeira medida implementada foi a redução do percentual de apropriação do crédito presumido, que caiu de 60% para 50%, caso a pessoa jurídica produtora de lácteos (inclusive cooperativas) se habilite perante o Poder Executivo, ou para 20%, nos casos em que essa habilitação não é obtida.

Os requisitos para a obtenção da habilitação mencionada serão futuramente regulamentados pelo Poder Executivo, tendo como condições mínimas as seguintes:

a) A regularidade fiscal da pessoa jurídica em relação aos tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil;

b) A formulação de projeto, por parte do laticínio, destinado a auxiliar produtores rurais de leite no desenvolvimento da qualidade e da produtividade de sua atividade, que será submetido à apreciação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

c) Destinação para o projeto de, no mínimo, 5% do somatório dos valores dos créditos presumidos efetivamente compensados com outros tributos ou ressarcidos em dinheiro no mesmo ano-calendário;

Como a Lei nº 13.137/2015 foi publicada com vigência imediata em relação a esse assunto, existe a dúvida em relação ao percentual a ser aplicado: (a) caso seja feita uma leitura literal do dispositivo, a conclusão imediata é a de que o percentual aplicável é de 20%, pois nenhum contribuinte possui a habilitação mencionada; (b) entretanto, se levarmos em consideração que a ausência da habilitação não decorre de culpa do contribuinte, mas de omissão do Poder Executivo, não seria um absurdo cogitar-se na aplicação do percentual de 50%.

Entendemos que o cenário ideal – mas que não necessariamente irá se concretizar – seria o de um regime de transição, onde se admitiria o percentual de 50% para todo o setor de laticínios até que o ato do Poder Executivo seja publicado, concedendo-se, após isso, uma habilitação provisória para aqueles que fizessem o pedido até certa data, com vigência até a data de publicação da decisão final do Órgão competente. Na hipótese de indeferimento do pleito, contudo, haveria a desconsideração dos créditos apropriados excedentes ao percentual de 20%, conforme prevê a própria Lei nº 13.137/2015.

O segundo ponto atende a demanda antiga do setor de laticínios, que se via prejudicado pela impossibilidade de compensação de créditos presumidos de leite in natura com tributos federais outros que não o PIS/COFINS.

A partir da data de publicação do regulamento da habilitação, será também autorizado às empresas lácteas a utilização escalonada (liberação por ano) dos créditos acumulados a partir de 2010 para compensação com débitos próprios, vencidos ou vincendos, com os tributos administrados pela Receita Federal, ou o ressarcimento desses valores em dinheiro. 

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo