Novas exigências do Fisco para Sociedades em Conta de Participação ferem a lei

Novas exigências do Fisco para Sociedades em Conta de Participação ferem a lei

Com o objetivo de aumentar o controle sobre a escrituração fiscal e contábil das Sociedades em Conta de Participação (SCP), a Receita Federal publicou recentemente duas instruções normativas. Além de polêmicas, elas irão causar aumento do custo de conformidade dessas sociedades.

Segundo o Código Civil, as SCPs são sociedades formadas pelos sócios ostensivos (que exclusivamente assumem a responsabilidade do negócio perante terceiros) e participante (geralmente um investidor), anteriormente denominado de “sócio oculto”. Conforme as regras, essas sociedades não têm personalidade jurídica, uma vez que a atividade constitutiva do objeto social é exercida unicamente pelo sócio ostensivo em seu nome individual e sob sua responsabilidade.

Contrariando essa determinação legal, a Receita Federal passou a exigir que essas sociedades tenham inscrição no Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas (CNPJ), fato que, legalmente, confere personalidade jurídica às empresas no país. A regra está imposta na IN RFB nº 1.470, de maio deste ano.

Além de ser uma exigência infralegal – administrativa – que contraria a lei, essa nova exigência fará com que essas sociedades sejam obrigadas a entregar ao órgão determinadas obrigações acessórias até então desnecessárias, como a DCTF, a ECF e a ECD. Nesta última declaração, serão informados dados contábeis da sociedade por meio de uma espécie de livro auxiliar do sócio ostensivo. Esse fato elevará o custo de conformidade dessas sociedades e está expresso administrativamente na IN RFB nº 1.486, publicada em agosto.

No entanto, a partir da transmissão dessas obrigações acessórias, será reduzida parte da burocracia que permeia a escrituração contábil e fiscal das empresas, ante a dispensa do registro e da autenticação dos livros “Registro de Inventário” e “Registro de Entradas” nas juntas comerciais, e da supressão da escrituração do Livro Razão e da transcrição do Balancete, Balanço de Supressão ou de Redução no Livro Diário.

Apesar disso, pelo fato das novas exigências serem contrárias à lei, aguarda-se manifestação dos órgãos responsáveis pelo controle da legalidade das normas quanto à sua eficácia. No entanto, enquanto não for proferida essa manifestação, essas novas obrigações serão exigidas pelo Fisco, que se perfaz na instituição que mais contribui para o aumento da insegurança jurídica no âmbito empresarial.

Outras Notícias

As ilegalidades contidas na Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho
Advogados especializados criticam mudanças da nova Lei de Falências
Edital RFB de Transação por Adesão nº 1, DE 2020
Fique Sempre Por dentro
Cadastre-se na nossa newsletter
powered by Logo