Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 
CAPÍTULOS DO FUNRURAL CAUSAM INSEGURANÇA PARA CONTRIBUINTES
Eduardo Diamantino Bonfim e Silva
27.09.2017

Os capítulos que envolvem o Funrural despertam, cada vez mais, insegurança jurídica para os contribuintes. O cenário é de incertezas em um momento em que os produtores precisam de certezas. Para se ter uma ideia, em uma quinta-feira de março, precisamente no dia 30/03/2017, o Supremo Tribunal Federal julgou a questão do Funrural. O tema não é uma novidade na Corte. Entre idas e vindas, desde os anos 90, a contribuição é questionada e chegou ao STF. O relator era um ministro novo. Na ânsia de honrar a indicação, resolveu alterar a jurisprudência da Corte e admitiu a repristinação de lei. O inconformismo foi enorme. O ministro não redigiu o acórdão. E, nesse contexto, já se passaram quase seis meses nesse vácuo.

A Receita Federal decidiu se aproveitar do inesperado da decisão. Pragmaticamente, resolveu pressionar os contribuintes para aderirem ao parcelamento como se a questão tivesse acabado. Desprezou a questão da modulação e seguiu firme. Evidentemente, fez cláusula de irretratabilidade. Editou a MP 793. O parcelamento vence no final de setembro e tem baixa adesão até o momento. Sequer foi aprovado na Câmara dos Deputados. O Executivo parece atabalhoado.

A bancada ruralista é relevante no Congresso Nacional e resolveu agir. Com fundamento em um julgado de 2010, providenciaram uma Resolução no Senado e expulsaram o caput do artigo 25, com a redação que lhe deu a Lei nº 8.540/92 e o artigo 30 da Lei nº 8.212/91. Com isso, o Funrural perdeu a possibilidade de ser cobrado. Falta a ele hipótese de incidência necessária em matéria tributária.

Enquanto isso, invariavelmente, somos martelados com uma questão: É preciso recolher a contribuição do Funrural? É preciso deixar claro que, nesse caso, há uma subversão absoluta dos poderes e suas respectivas funções.

O Poder Judiciário que deveria trabalhar em prol da segurança jurídica, nesse caso apenas trouxe incerteza na demora quanto ao deslinde da questão. O Poder Executivo, por sua vez, atropelou o princípio da boa fé ao agir pressionando os contribuintes antes da definição da questão. O Poder Legislativo deveria ter editado a Resolução em tempo, e não como resposta as peripécias de outro Poder. Dessa forma, é possível constatar que o contencioso saiu do tribunal e se instalou na praça dos três poderes. E o que resta ao contribuinte? Resta esperar. Por prudência, o melhor será contingenciar os valores da contribuição e aguardar um desfecho. Nesse cenário, até decisão do último tribunal se tornou relativa. Nesses tempos líquidos, a crise do Estado é evidente e a certeza do Direito é algo tão imprevisível quanto a previsão de chuvas no próximo verão.

Mais sobre esse tema pode ser conferido no blog Direito em Campo.

 

 

 

 


Índice de artigos :: TODOS ARTIGOS

PIS/Cofins: como aplicar a não cumulatividade e não ser autuado
01.12.2011

Possibilidade de rever judicialmente a confissão de dívida tributária
01.12.2011

Prazo para análise dos processos administrativos
01.12.2011

Prescrição decorrente de descumprimento contratual
01.12.2011

Processo de revisão no parcelamento do REFIS
01.12.2011

Receitas decorrentes da diferença de valor de face e de título recebido — incidência do PIS/Cofins nas empresas de factoring
01.12.2011

RECORDE NA SAFRA DE IMPOSTOS
01.12.2011

STF mantém prazo de 10 anos para a restituição de tributos para ações propostas até 09/06/2005
01.12.2011

STJ rejeita recurso contra multa bilionária aplicada ao DER de São Paulo
01.12.2011

Suspensão e extinção da punibilidade de crimes contra a ordem tributária mediante parcelamento de crédito tributário
01.12.2011

Tempo para compreender os tributos no Brasil
01.12.2011

Votação do Novo Código Florestal
01.12.2011

A ASSISTÊNCIA LITISCONSORCIAL COMO OPORTUNIDADE PROCESSUAL DE TERCEIROS
01.12.2010

A ASSISTÊNCIA LITISCONSORCIAL COMO OPORTUNIDADE PROCESSUAL DE TERCEIROS
01.12.2010

A CONSTITUCIONALIDADE DA UFESP NA CORREÇÃO DOS DÉBITOS PAULISTAS
01.12.2010


Mostrando 46 - 60 de 150
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites