Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


Liminar autoriza produtor rural a usar prejuízo fiscal em parcelamento
Arthur Rosa
26.12.2018

Um produtor rural pessoa física obteve liminar para que a Receita Federal aceite créditos de prejuízos fiscais para o pagamento, por meio do Programa de Regularização Tributária Rural (PPR), de débitos da contribuição ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). A decisão é da 5ª Vara Cível Federal de São Paulo, que afastou restrição prevista em norma que regulamenta o parcelamento.

O contribuinte foi ao Judiciário contra o artigo 4º-A da Instrução Normativa RFB nº 1.784/2018. O dispositivo restringe às pessoas jurídicas a possibilidade de utilização dos créditos de prejuízo fiscal. Na petição, argumentou que a Lei nº 13.606/2018, que instituiu o parcelamento, não faz distinção entre pessoas físicas e jurídicas. A questão é tratada no artigo 8º.

De acordo com o processo, o produtor rural deixou de recolher a contribuição ao Funrural no período de outubro de 2013 a julho de 2017, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF), em fevereiro de 2010, considerou inconstitucional a cobrança. Sete anos depois, porém, os ministros mudaram de entendimento.

Com a alteração do posicionamento, o governo federal decidiu criar o parcelamento especial, que oferece descontos nos juros e multas e prazo de 176 meses. Antes, porém, o contribuinte tem que desembolsar 2,5% do valor da dívida. A Receita Federal estima que as dívidas com o Funrural somam cerca de R$ 17 bilhões - montante que poderá ser perdoado se aprovado projeto que tramita no Congresso.

Ao analisar o caso, a juíza federal Noemi Martins de Oliveira acatou a argumentação do produtor rural e afastou a restrição. "As instruções normativas possuem como finalidade a regulamentação das leis, nos limites por elas estabelecidos, não podendo inovar a ordem jurídica, impondo restrições não previstas em lei", diz a magistrada na decisão.

A liminar, segundo o advogado Eduardo Diamantino, que defende o produtor rural, serve de precedente para pessoas físicas na mesma situação. "O prejuízo fiscal é direito do contribuinte que exerce atividade rural. Pessoa física ou jurídica, não importa", diz. "Não pode haver distinção, sob o risco de desequilíbrio concorrencial."

O advogado Renato Vilela Faria, sócio do Peixoto & Cury Advogados, lembra que não é incomum esse tipo de situação. Recentemente, afirma, ocorreu no Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), criado pela Medida Provisória (MP) 783/17. A Instrução Normativa nº 1.711/17 vedou a inclusão no parcelamento de débito objeto de auto de infração lavrado com a multa qualificada de 150%, "previsão que excedia as restrições contidas na MP".


Índice de notícias :: Tributário

Filial de entidade beneficente não tem imunidade tributária automática
04.12.2017

Portaria que cria atalho para cobrar dívidas é ilegal
04.12.2017

Contribuintes deverão declarar valores em espécie
22.11.2017

Receita: trabalho terceirizado gera crédito de PIS/Cofins
17.11.2017

Prazo para adesão ao Programa Especial de Regularização Tributária é prorrogado novamente
31.10.2017

Principais alterações do PERT trazidas pelo projeto de conversão em lei
16.10.2017

NOVAS OPORTUNIDADES DE ADESÃO AOS PROGRAMAS DE PARCELAMENTO DE DÉBITOS TRIBUTÁRIOS FEDERAIS (PRR E PERT)
29.09.2017

Participação - Congresso de Direito Tributário em Porto Alegre
14.09.2017

Nova oportunidade de adesão ao Programa Especial de Regularização Tributária (PERT)
31.08.2017

Governo publica Medida Provisória que renegocia os débitos do Funrural
02.08.2017


Mostrando 51 - 60 de 178
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites