Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


Juiz dispensa exportadora indireta de recolher Funrural
Tadeu Rover
08.11.2018

A Constituição Federal desonera das contribuições sociais as receitas oriundas de operações de exportação, não importando se são feitas de maneira direta ou indireta. Com esse entendimento, o juiz Osmane Antonio dos Santos, da 2ª Vara Federal de Uberaba (MG), reconheceu a uma exportadora indireta a imunidade em relação à contribuição previdenciária rural.

No mandado de segurança, a empresa alegou que teria direito à mesma imunidade prevista para os exportadores diretos, que são dispensados de recolher o Funrural. A autora da ação foi representada pelo advogado Eduardo Diamantino, do Diamantino Advogados Associados.

A imunidade para exportadores está prevista no artigo 149, parágrafo 2º, da Constituição Federal. Segundo o dispositivo, não há incidência das contribuições sociais sobre as receitas decorrentes de exportação.

Para a Receita Federal, no entanto, essa imunidade somente é válida para exportadores diretos, não podendo ser estendida aos exportadores indiretos, como as trading companies — aquelas que adquirem a produção rural de pessoas físicas com o único objetivo de exportá-las.

Para Santos, contudo, o argumento da Receita é descabido. Segundo o juiz, não é razoável dividir a exportação em direta e indireta, uma vez que o benefício fiscal se volta ao incentivo dessa operação e das receitas dela aferidas como um todo.

"Se a imunidade em discussão foi estabelecida pela Constituição, sem distinguir entre exportações diretas e indiretas, com o objetivo de desonerar das contribuições as receitas oriundas de operações de exportação, diversamente do que sustentado pela União, esse incentivo deve ser estendido à impetrante", concluiu o juiz.

Repercussão geral
A discussão se há imunidade nas receitas das exportações por trading para fins de contribuição ao Funrural aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal. A corte já reconheceu a repercussão geral sobre o tema, mas ainda não julgou a ação.

Sobre isso, o juiz afirmou que o fato de ter sido reconhecida a repercussão geral não impede o julgamento do mandado de segurança. "A repercussão geral não implica, necessariamente, em paralisação instantânea e inevitável de todas as ações a versarem sobre a mesma temática do processo piloto", afirmou, citando decisão do ministro do STF Dias Toffoli no Recurso Extraordinário 808.202.

Clique aqui para ler a decisão.
1000372-74.2018.4.01.3802

 é repórter da revista Consultor Jurídico.


Índice de notícias :: Tributário

Dedução de IR para empregador doméstico até 2024 será votada hoje
11.06.2019

STF julgará se é constitucional a trava de 30% para aproveitamento dos prejuízos fiscais
21.05.2019

Uma nova Inconfidência Mineira
24.04.2019

Tributação e medo de desvio de recursos freiam doações
23.04.2019

Fim da Lei Kandir pode ser inconstitucional, diz advogado
29.03.2019

Censo BCB 2019: o prazo de entrega se aproxima
21.03.2019

Saiba como não errar na declaração do IR e, assim, evitar a malha fina
11.02.2019

Carf nega tributação de prejuízo fiscal utilizado em refinanciamento
30.01.2019

2018: o ano que não terminou para a questão do Funrural
10.01.2019

Análise: Saiba tudo sobre Funrural, Caepf e livro-caixa digital
10.01.2019


Mostrando 1 - 10 de 184
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites