Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 

Projeto de lei autoriza uso da arbitragem em desapropriações por utilidade pública
Rubens Antonangelo Júnior
03.04.2018

O Projeto de Lei nº 135/2017, de autoria do senador Antonio Anastasia, altera o Decreto-Lei nº 3.365/1941, para possibilitar a arbitragem para definição dos valores de indenização nas desapropriações por utilidade pública.

O projeto altera a redação do artigo 10 e acrescenta os artigos 10-A e 10-B, ao citado Decreto-Lei, pelos quais autoriza a utilização da arbitragem com a finalidade de estabelecer o valor da indenização pela desapropriação. Além disso, disciplina a forma como isto será feito.

Pela redação do artigo 10-A, até cinco dias depois de publicado o decreto expropriatório, o poder público deverá notificar o proprietário apresentando a oferta da indenização. No documento, deverá constar o valor da oferta; a cópia do decreto de desapropriação; a planta ou a descrição dos bens e suas confrontações; o prazo de 15 dias para aceitar ou rejeitar a oferta, considerado o silêncio como rejeição e; a possibilidade do proprietário optar por discutir o valor da indenização pela via arbitral, nos termos da Lei nº 9.307/1996.

Notificado o proprietário, se aceita a oferta, será feito o pagamento respectivo, mediante acordo, que servirá de título hábil para a transcrição no registro de imóveis. Se rejeitada a oferta e não instituída a arbitragem, será ajuizada a Ação de Desapropriação - que seguirá seu trâmite normal.

Se o particular optar pela instituição da arbitragem, deverá responder à notificação recebida informando sua escolha e indicando um árbitro. Notificado, o poder público nomeará outro árbitro em até dez dias. Os árbitros nomeados pelas partes indicarão um terceiro que será o presidente do tribunal arbitral. A indicação dos árbitros respeitará o disposto nos artigos 13 a 18 da Lei nº 9.307/96.

No original do projeto constava que a arbitragem seria custeada pelo poder público. Porém, o senador Armando Monteiro, relator na Comissão de Constituição e Justiça, modificou este dispositivo, que no seu entender poderia desestimular o proprietário de aceitar o preço ofertado, mesmo que o considerasse justo. Para isso, propôs duas medidas: exigir que a parte perdedora arque com os custos da arbitragem e; o poder público antecipe os honorários arbitrais, que deverão ser ressarcidos em caso de condenação do particular.

O senador Armando Monteiro sugeriu, também, que na notificação ao proprietário constasse a advertência sobre a possibilidade de o valor arbitrado ser inferior ao inicialmente oferecido, de modo a não haver surpresa para o proprietário que também poderá avaliar seu eventual interesse em discutir a matéria em sede arbitral.

Outra mudança sugerida foi no sentido de que a mediação ou arbitragem fosse realizada por instituição previamente credenciada pelo poder público e com experiência nesse tipo de procedimento.

Como se observa o referido projeto de lei, ao instituir uma fase pré-judicial, onde o particular poderá aceitar de imediato o valor ofertado ou optar pela arbitragem para estabelecer o montante da indenização, busca acelerar o processo expropriatório, garantindo ao proprietário o recebimento da justa indenização em menor espaço de tempo. Trata-se de iniciativa bem vinda.

A crítica a ser feita se refere ao prazo de 15 dias para que o proprietário responda a notificação aceitando a oferta ou optando pela arbitragem, o qual parece ser exíguo para que o particular consiga avaliar estas questões e indicar um árbitro, o que ainda não é comum, principalmente em cidades do interior.  Talvez, 30 ou 60 dias seria melhor.

Outro ponto negativo se refere à mudança proposta pelo relator na Comissão de Constituição e Justiça quanto ao custeio da arbitragem pelo vencido. Com efeito, em sendo a desapropriação um ato do Estado que independe da vontade da parte, cabe a este arcar com os custos respectivos, especialmente em se tratando de arbitragem.

O ponto positivo em outra mudança sugerida pelo relator na CCJ é para que conste, na notificação ao proprietário, a possibilidade do valor arbitrado ser inferior ao proposto pelo poder público - o que evitará surpresa desagradável.

Quanto à proposta de mudança para que a arbitragem seja realizada por instituição previamente cadastrada junto ao poder público, parece desnecessária. É possível estabelecer apenas que aquela eleita seja idônea e com reconhecida atuação, inclusive para evitar qualquer dúvida do particular.

Assim, o projeto de lei em questão afigura-se bem vindo e com certeza auxiliará na agilização e solução de processos expropriatórios. Poderia o legislador ter ido adiante e proposto alteração da espécie também para a Lei Complementar nº 76/93, que rege as desapropriações por interesse social para fins de reforma agrária.


Índice de notícias :: Tributário

Definição do STJ sobre prescrição pode afetar 20 milhões de execuções fiscais
13.09.2018

Liminar derruba reoneração da folha; 36 setores seguirão o mesmo caminho
25.08.2018

A RECEITA FEDERAL ABRIU O PRAZO PARA CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS PREVIDENCIÁRIOS NO PERT
06.08.2018

Especialistas discutem tributação em agronegócios em SP
14.06.2018

Especialistas discutem tributação em agronegócios em SP
14.06.2018

Prazo para adesão ao parcelamento do Funrural é prorrogado até 30 de outubro
30.05.2018

STF rejeita recursos contra cobrança do FUNRURAL
23.05.2018

STF julga na próxima quarta recursos contra a cobrança do Funrural
18.05.2018

Governo edita medida provisória e prorroga prazo para adesão ao Refis do Funrural
27.04.2018

Entenda melhor a cobrança do Refis do Funrural
26.04.2018


Mostrando 1 - 10 de 162
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites