Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


GESTO PRECIPITADO - Compensação de precatório com dívida tributária é ilegal
Eduardo Diamantino
09.06.2014

A imprensa divulgou, recentemente, a suposta autorização do uso de precatórios para quitar dividas tributárias pela Receita Federal. A fundamentação decorreria da publicação de consulta 101 da COSIT (Coordenação Geral de Tributação desse Órgão). Em que pese à carência de boas notícias em matéria tributária, o que, justificaria uma necessidade de enxergá-las, impossível concluir dessa forma, na análise detida da matéria.

A Ementa revela o desacertamento da notícia que ora transcrevo: CRÉDITO DE PRECATÓRIO. UTILIZAÇÃO NA COMPENSAÇÃO ADMINISTRATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS A TRIBUTOS ADMINISTRADOS PELA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL. IMPOSSIBILIDADE

Daí, entender que a notícia é boa há otimismo antigo. A lei já fez aniversário. O que a referida interpretação oficial fez em gesto precipitado e inconsequente na solução de consulta, ora sob análise, foi remeter ao Judiciário inúmeros processos que poderiam ter seu curso junto a própria administração federal.

Tal atitude não é nova: evitar a compensação, ou melhor, fugir de suas obrigações é pratica antiga e reiterada da Fazenda. As técnicas adotadas são extensas e interessantes. Discorrer sobre as mesmas seria repetir inúmeros argumentos batidos e gastos.

Também não é novo empurrar o que deveria ser pago. Os créditos de precatórios, dos quais o poder público é devedor, devem ser considerados como uma espécie de empréstimo compulsório, na medida em que são retenção pelo poder público de dinheiro de pessoas privadas, tendo como gestores um Judiciário tímido e premido pelo discurso do controle do déficit público. Tudo isso a margem da lei.

A dificuldade em reavê-los, que pode ser comemorada com sua inclusão nos artigo 30 a 42 da Lei 12.431, é volátil. Primeiro porque o referido parecer tratado é restringido ao máximo a interpretação da norma e segundo, porque o seu fundamento de validade, isto é, os parágrafos 9º e 10 do artigo 100 da Constituição, foi declarado inconstitucional no julgamento da ADI 4.357 do Supremo Tribunal Federal.

Assim, numa questão de tempo, a lei em questão deverá ser declarada sem validade no sistema jurídico, o parecer COSIT restará inaplicável e os contribuintes ficarão obrigados a pagar os tributos e esperar a boa vontade do governo para pagar seus créditos.

Eduardo Diamantino é advogado e sócio do escritório Diamantino Advogados Associados, e vice-presidente da Academia Brasileira de Direito Tributário

Revista Consultor Jurídico, 09 de junho de 2014


Índice de notícias :: Tributário

Censo BCB 2019: o prazo de entrega se aproxima
21.03.2019

Saiba como não errar na declaração do IR e, assim, evitar a malha fina
11.02.2019

Carf nega tributação de prejuízo fiscal utilizado em refinanciamento
30.01.2019

2018: o ano que não terminou para a questão do Funrural
10.01.2019

Análise: Saiba tudo sobre Funrural, Caepf e livro-caixa digital
10.01.2019

O que pode acontecer com quem não aderir ao Refis do Funrural?
27.12.2018

Liminar autoriza produtor rural a usar prejuízo fiscal em parcelamento
26.12.2018

UTILIZAÇÃO DE PREJUÍZO FISCAL POR PESSOA FÍSICA NA ADESÂO AO PRR
07.12.2018

Funrural: entenda como o novo prazo de adesão ao Refis afeta o produtor
12.11.2018

Adesão ao Refis do Funrural é prorrogada até 31 de dezembro
09.11.2018


Mostrando 1 - 10 de 179
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites