Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


GESTO PRECIPITADO - Compensação de precatório com dívida tributária é ilegal
Eduardo Diamantino
09.06.2014

A imprensa divulgou, recentemente, a suposta autorização do uso de precatórios para quitar dividas tributárias pela Receita Federal. A fundamentação decorreria da publicação de consulta 101 da COSIT (Coordenação Geral de Tributação desse Órgão). Em que pese à carência de boas notícias em matéria tributária, o que, justificaria uma necessidade de enxergá-las, impossível concluir dessa forma, na análise detida da matéria.

A Ementa revela o desacertamento da notícia que ora transcrevo: CRÉDITO DE PRECATÓRIO. UTILIZAÇÃO NA COMPENSAÇÃO ADMINISTRATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS A TRIBUTOS ADMINISTRADOS PELA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL. IMPOSSIBILIDADE

Daí, entender que a notícia é boa há otimismo antigo. A lei já fez aniversário. O que a referida interpretação oficial fez em gesto precipitado e inconsequente na solução de consulta, ora sob análise, foi remeter ao Judiciário inúmeros processos que poderiam ter seu curso junto a própria administração federal.

Tal atitude não é nova: evitar a compensação, ou melhor, fugir de suas obrigações é pratica antiga e reiterada da Fazenda. As técnicas adotadas são extensas e interessantes. Discorrer sobre as mesmas seria repetir inúmeros argumentos batidos e gastos.

Também não é novo empurrar o que deveria ser pago. Os créditos de precatórios, dos quais o poder público é devedor, devem ser considerados como uma espécie de empréstimo compulsório, na medida em que são retenção pelo poder público de dinheiro de pessoas privadas, tendo como gestores um Judiciário tímido e premido pelo discurso do controle do déficit público. Tudo isso a margem da lei.

A dificuldade em reavê-los, que pode ser comemorada com sua inclusão nos artigo 30 a 42 da Lei 12.431, é volátil. Primeiro porque o referido parecer tratado é restringido ao máximo a interpretação da norma e segundo, porque o seu fundamento de validade, isto é, os parágrafos 9º e 10 do artigo 100 da Constituição, foi declarado inconstitucional no julgamento da ADI 4.357 do Supremo Tribunal Federal.

Assim, numa questão de tempo, a lei em questão deverá ser declarada sem validade no sistema jurídico, o parecer COSIT restará inaplicável e os contribuintes ficarão obrigados a pagar os tributos e esperar a boa vontade do governo para pagar seus créditos.

Eduardo Diamantino é advogado e sócio do escritório Diamantino Advogados Associados, e vice-presidente da Academia Brasileira de Direito Tributário

Revista Consultor Jurídico, 09 de junho de 2014


Índice de notícias :: Tributário

UTILIZAÇÃO DE PREJUÍZO FISCAL POR PESSOA FÍSICA NA ADESÂO AO PRR
07.12.2018

Funrural: entenda como o novo prazo de adesão ao Refis afeta o produtor
12.11.2018

Adesão ao Refis do Funrural é prorrogada até 31 de dezembro
09.11.2018

Prorrogação do prazo de adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural
09.11.2018

Juiz dispensa exportadora indireta de recolher Funrural
08.11.2018

Senado aprova projeto de Lei prorrogando adesão ao PRR até dez/18
17.10.2018

Senado devolve à Câmara MP que aumenta prazo para adesão ao Refis do Funrural
11.10.2018

MP 834 perde eficácia, mas prazo para adesão ao parcelamento do Funrural continua
10.10.2018

Funrural: Receita afirma que vai aceitar adesão ao Refis até 10 de outubro
05.10.2018

O prazo de adesão ao parcelamento do Funrural pode ser antecipado
05.10.2018


Mostrando 1 - 10 de 172
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites