Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 

Convenção da Apostila facilita trâmite de documentos internacionais
Matheus Moreira
04.12.2017

Entrou em vigor, no mês de agosto de 2016, no Brasil, a Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, conhecida como Convenção da Apostila. Ficou mais simples e ágil a tramitação de documentos públicos entre o Brasil e os mais de cem países que são partes daquele acordo, como Portugal, Japão, China e Equador. A Convenção da Apostila trará significativos benefícios para cidadãos e empresas que necessitem de trâmite internacional de documentos como diplomas, certidões de nascimento, casamento ou óbito, além de documentos emitidos por tribunais e registros comerciais.

A Convenção aplica-se aos atos públicos lavrados e apresentados em um dos países signatários. São considerados como atos públicos:

- Documentos provenientes de uma autoridade ou de um funcionário dependente de qualquer jurisdição do país, compreendidos os provenientes do Ministério Público, de um escrivão de direito ou de um oficial de diligências;

- Documentos administrativos;

- Atos notariais;

- Declarações oficiais tais como menções de registro, vistos para data determinada e reconhecimento de assinatura, inseridos em atos de natureza privada.

A Convenção não se aplica a:

- Documentos elaborados pelos agentes diplomáticos ou consulares;

- Documentos administrativos relacionados diretamente com uma operação comercial ou aduaneira.

Atualmente, para um documento ser aceito por autoridades estrangeiras, é necessário tramitá-lo por diversas instâncias, gerando assim extensiva burocracia. A entrada em vigor da Convenção da Apostila permitirá a “legalização única”, bastando ao interessado dirigir-se a um cartório habilitado em uma das capitais estaduais ou no Distrito Federal e solicitar a emissão de uma “Apostila da Haia” para um documento.

Contudo, a "legalização única" não exime o solicitante de apurar junto ao país ou à instituição destinatária do documento eventuais exigências adicionais, a exemplo de traduções.

Tal procedimento garantirá que cidadãos e empresas gastarão menos recursos e tempo na tramitação internacional de documentos, o que contribui de forma decisiva para o fomento da atividade econômica.


Índice de notícias :: Civil

Recuperação Judicial de grupos econômicos
21.11.2018

Alienação fiduciária de imóveis
04.12.2017

Convenção da Apostila facilita trâmite de documentos internacionais
04.12.2017

Novas regras da alienação fiduciária de imóveis a partir da Lei nº 13.465/17
06.11.2017

Para advogados, não existe suspeição de Gilmar Mendes em caso de HC
24.08.2017

Oficinas de Parentalidade ajudam a combater alienação parental
29.05.2017

Bem de capital alienado fiduciariamente não pode ser executado no stay period
31.12.2016

SOBERANIA DAS DECISÕES DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES.
22.12.2016

Uber tem responsabilidade legal na prestação de serviços
22.12.2016

Pedido de efeito suspensivo de apelação pode ser feito eletronicamente no TRF-3
31.10.2016


Mostrando 1 - 10 de 37
1 | 2 | 3 | 4

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites