Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


Governo prorroga adesão ao Refis
Jamile Racanicci
31.10.2017

O governo prorrogou de 31 de outubro para 14 de novembro o prazo de adesão ao Programa Especial de Regularização Tributária (Pert). A medida provisória (MP) 807, que instituiu o adiamento, foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União veiculado nesta terça-feira (31/10).

A postergação do prazo já era esperada, porém não deixou de ser comemorada por advogados.

O vice-presidente da Academia Brasileira de Direito Tributário, Eduardo Diamantino, defende que a prorrogação era necessária para as empresas se adequarem às mudanças sucessivas nas condições de financiamento, em especial as estabelecidas pelo veto presidencial.

“Se não tivesse dado prazo, seria o mesmo que não ter concedido a lei”, acrescenta. Diamantino também considera lamentável a oficialização do adiamento no último dia de adesão segundo as regras anteriores.

Até a publicação da edição extra do Diário Oficial era comum ouvir de tributaristas que muitos advogados estavam correndo para deixar a documentação pronta para realizar a adesão de clientes no dia 31 caso não houvesse a prorrogação. A indecisão por parte do governo fez com que houvesse dúvidas sobre a real possibilidade de postergação.

O presidente da República, Michel Temer, sancionou a MP 783 em 24 de outubro. A sanção presidencial a converteu na lei 13.496. No ato, Temer vetou trechos da norma, como o que permitia a adesão ao Refis por parte de empresas cadastradas no Simples Nacional.

O advogado Eduardo Kowarick Halperin, do escritório Silveiro Advogados, avalia que o programa é vantajoso para as empresas, principalmente por permitir o uso de prejuízos fiscais para abater a dívida renegociada.

Halperin, entretanto, lembra que as mudanças ao longo dos cinco meses de negociação entre a publicação da MP e a conversão em lei provocaram insegurança. “No momento em que sempre há prorrogação e se alteram a todo momento as condições de adesão, o contribuinte nunca tem certeza de que aquelas são as regras finais.”

O advogado também ressaltou que as alterações frequentes no programa se devem à negociação entre os poderes Executivo e Legislativo, mediante eventos como a apreciação da segunda denúncia contra Temer na Câmara dos Deputados. “Todos sabem que o que está pautando as condições do Pert é a crise política”, afirmou.

 


Índice de notícias :: DAA na Mídia

Decisões cortam benefícios não previstos em lei do Refis
10.02.2017

Novo processo de demarcação de terras indígenas pode questionar a Funai
19.01.2017

Receita aperta o cerco contra empresas offshore
17.01.2017

É preciso controle para evitar problemas com cartão corporativo
26.11.2016

Receita entende que não incide IR sobre a cessão de prejuízo fiscal
21.11.2016

Na reta final, aderir à repatriação fica difícil
31.10.2016

Receita terá dificuldade para fiscalizar ativos no exterior
13.09.2016

Proposta que prevê melhor gestão nos fundos de pensão está parada no Congresso
05.09.2016

Nova lei sobre crédito suplementar não muda acusação contra Dilma, diz especialista
03.09.2016

Regularização de ativos gera insegurança com base de cálculo do IR
02.08.2016


Mostrando 21 - 30 de 47
1 | 2 | 3 | 4 | 5

 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites