Área do Cliente

Clique aqui e acompanhe de perto os processos que estão sendo gerenciados pelo Diamantino Advogados Associados.

Caso ainda não tenha sua senha, fale conosco.

 


Cidades apostam em OSs para gerir saúde
FRANCISCO LIMA NETO REGIÃO
10.08.2014

Seis municípios da RMC (Região Metropolitana de Campinas) transferiram ou estão prestes a transferir a gestão da saúde, total ou parcialmente, para OSs (Organizações Sociais Sem Fins Lucrativos). A medida tem sido apontada pelas prefeituras como uma solução para melhorar a gestão, modernizar a rede e melhorar o atendimento ao público. O MPT (Ministério Público do Trabalho) e o Sindimed (Sindicato dos Médicos de Campinas e Região), contrários, afirmam que o sistema é passível de irregularidades. Já especialista em direito público não vê problema, desde que o processo seja transparente e traga economia para o município. 

Americana, Itatiba e Jaguariúna já mantêm esse tipo de contrato para a gestão de alguns serviços da saúde. Além delas, em Valinhos, uma OS assumiu a gestão da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) há cinco meses, Nova Odessa assinou contrato desse tipo no mês passado e Sumaré está em fase de concorrência pública para selecionar uma organização. 

Em Itatiba, dos nove serviços especializados da rede municipal de saúde, dois são administrados por OS: a UPA e o Centro de Fisioterapia e Reabilitação. Ambos funcionam dessa forma desde a inauguração, que no caso da UPA foi em julho de 2012 e do centro em dezembro de 2010. 

O secretário de Saúde, Luiz Gonçalves Simões, avalia o serviço de forma positiva. "Dessa forma o serviço ganha em desempenho. A gestão dos serviços do pessoal e dos insumos fica mais ágil". Em 2013, o valor anual investido na UPA foi de R$ 7,2 milhões e R$ 810 mil para a fisioterapia. 

Nova Odessa assinou contrato com o Instituto Ciências da Vida dia 11 de julho. A OS gerencia o Hospital Municipal e Maternidade Dr. Acílio Carreon Garcia, cinco UBSs (Unidades Básicas de Saúde), Ambulatório de Especialidades, Farmácia Central e Caps (Centro de Atendimento Psicossocial). O contrato tem duração de cinco anos, com revisões anuais. A previsão orçamentária é de R$ 33 milhões por ano. 

De acordo com o secretário de Saúde de Nova Odessa, Valmir Crepaldi da Silva, o objetivo da contratação é dinamizar e melhorar o serviço. "Nossos profissionais estão se desdobrando para garantir o atendimento à população, mas é preciso modernizar o sistema e ampliar essa qualidade. Para isso, depois de análises e estudos, optamos pelo modelo de gestão compartilhada, que já adotado pelo governo federal e pelo estadual", explicou Silva.

"Vale ressaltar que a OS trabalha por metas que estipulamos para o contrato de gestão. Conforme ela cumpre estas metas, são feitos os repasses. O contrato é de 60 meses, com reavaliação mensal", frisou o secretário. 

Já Sumaré se prepara para entregar a gestão da UPA do Macarenko e o PA (Pronto Atendimento) do Matão. O processo está em fase de análise, mas seis instituições já se mostraram interessadas. "Este modelo visa dar uma resposta mais rápida e de melhor qualidade à população de Sumaré", apontou a prefeita de Sumaré, Cristina Carrara (PSDB). 

PROBLEMAS 

Opinião diferente dos gestores municipais tem o presidente do Sindimed, Casemiro Reis. Ele aponta que essas contratações podem ser utilizadas para as prefeituras burlarem a Lei de Responsabilidade Fiscal, que limita em até 54% da arrecadação os gastos com folha de pagamento. Segundo ele, o sistema também dá margem para corrupção e tira as garantias do médico. 

"O sindicato condena porque o médico trabalha como pessoa jurídica, sem garantias, e acaba tendo alta rotatividade de profissionais, não se cria vínculos com a comunidade. Geralmente, esses médicos têm uma formação defasada e não conseguem passar em concursos. As prefeituras usam esse contrato para burlar a lei, pois a despesa não entra como gasto com pessoal". 

Segundo ele, a medida também é ilegal. "A Justiça já tem entendimento que isso não pode ocorrer. Podem terceirizar a segurança do posto, a limpeza, mas não o médico, por ser a atividade fim da saúde", concluiu Reis. 

Para o diretor de Projetos da Inase (Instituto Nacional de Assistência a Saúde e Educação), José Carlos Pitangueiras, que administra a UPA de Valinhos, as OSs conseguem melhores resultados porque opera sem a burocracia. "A administração direta está submetida a uma legislação que traz muitos entraves, principalmente em licitação, o que dificulta que consigam os resultados de acordo com a necessidade", explicou. 

Outra questão levantada por ele é que as OSs pagam mais para o médico do que as prefeituras, além de ter mais flexibilidade para contratação e demissão. 

"A prefeitura precisa de concurso, que é complexo. O médico estatutário tem estabilidade, se falta no Natal, chega muito atrasado e não cumpre metas, mesmo assim é praticamente impossível demiti-lo. Os das OSs precisam ter outra postura porque sabem que o emprego deles depende disso", explicou o diretor.

 

MPT é contra e advogado não vê problema

10/08/2014-17h37 - Atualizado em 10/08/2014-20h47

A procuradora do MPT de Campinas, Carolina Marzola Hirata Zedes, afirma que o MPT é contra a medida, pois trata-se de mera terceirização de mão de obra já que se utilizam de toda a infraestrutura que já existe. 

"Tem que ter concurso público. Muitas vezes essas OSs não contratam nem com carteira assinada. Nos casos que não for possível o concurso, por inúmeras razões, aí admite-se a contratação temporária por excepcional interesse público, que é um processo seletivo simplificado", explicou. 

Já o especialista em direito público Gustavo Bugalho, no entanto, acredita que, se fiscalizada corretamente, a medida não é um problema. "Ela pode ser utilizada, mas precisa de fiscalização", disse. "Todos os sistemas apresentam brechas para usos incorretos. Não significa que os sistemas devam deixar de ser utilizados", disse. O também especialista em direito público Diamantino Silva Filho concorda. "Não vejo problema na contratação via OS, desde que seja processo público, transparente e traga economicidade". 

ELOGIOS 

Para o revisor de tecelagem Anderson Fabiano de Souz, 27, que procurou atendimento no Pronto Atendimento do Parque Gramado, em Americana - unidade administrada por uma OS, o atendimento da unidade é bom. "Foi rápido, cordial e atencioso. Fizeram a triagem e os procedimentos em no máximo 15 minutos. Não posso reclamar, sempre que venho sou bem atendido e não demora tanto". 

Já em Valinhos, a auxiliar administrativa, Kátia Fernanda Camargo, 30, procurou atendimento para a filha de 3 anos na UPA porque não tinha pediatra no hospital que atende o convênio dela. "O atendimento foi excelente, uma médica ótima, atenciosa, atendimento rápido. Está no mesmo nível do convênio, aliás está melhor porque hoje o convênio me decepcionou, foi muito pior", contou. | FLN


Índice de notícias :: Público

Cidades apostam em OSs para gerir saúde
10.08.2014

Show religioso será contestado no Ministério Público
30.12.2013

Show religioso será contestado no MP
01.03.2013

Aumento a Pavan é aprovado em 1º turno
15.02.2013

Dnit adia mais uma vez reforma da BR-381, Rodovia da Morte
22.01.2013

Tombo rende indenização de R$ 6,6 mil
20.12.2012

REAJUSTE DO TRANSPORTE - Empresas esperam decreto da prefeitura
21.11.2012

TJ suspende aumento da tarifa de ônibus
06.07.2012

Máfia lucra com golpe do seguro obrigatório
31.10.2011



 

© Copyright 2002-2015. Diamantino Advogados Associados. Todos os direitos reservados.

Criação de sites